Bat-tequila

Quando você vai a algum bar ou festa e pede alguma bebida alcoólica, na maioria das vezes nem pensa no processo de produção daquela bebida. Uma dessas famosas bebidas, além de antiga, envolve um processo de fabricação muito curioso e que vale a pena ser conhecido: a tequila! E pra animar a leitura, um brinde no estilo tradicional: “arriba, abajo, al centro y pa’dentro“!

Durante séculos a tequila vem sendo fabricada nas fazendas das zonas rurais mexicanas a partir da receita de uma bebida fermentada fabricada pelo povo azteca a partir do agave azul (Agave tequilana, figura 1). O agave azul é uma planta suculenta da família Agavaceae e comum na região de Jalisco, no México, região conhecida por ser a maior fabricante de tequila no mundo. Contudo, recentemente, a produção de tequila sofreu um grande impacto. Pragas e doenças atacaram severamente as plantações do agave azul em todo o México e a produção de tequila quase acabou, devido à sua própria popularidade.

Figura 1: O agave azul (Agave tequilana), planta a partir da qual é produzida a tequila.

Há algumas décadas, a tequila era conhecida apenas como uma bebida típica do México e pouco consumida fora dessa região. A partir década de 1980 houve um aumento na demanda de tequila devido a sua crescente popularidade, quando passou a ser mais exportada. Esse aumento na demanda de produção da tequila fez com que os produtores procurassem meios de aumentar a colheita de agave azul utilizando a monocultura intensiva (figura 2), principalmente através de métodos de reprodução vegetativa, produzindo uma grande quantidade de plantas geneticamente semelhantes (clones) e em áreas extensas. A área plantada passou de 16.000 hectares para 50.000 hectares em menos de uma década. Essa produção de plantas sem variação genética já preocupava os cientistas, que alertaram os agricultores sobre os problemas que poderiam ocorrer devido a produção de plantas sem variação.

Figura 2: Plantação de agave azul em Jalisco, México.

No final da década de 1980 e novamente no final da década de 1990, as plantações do agave azul começaram a ser devastadas por doenças causadas por bactérias e fungos. Como todos os indivíduos da população do agave azul nas fazendas eram geneticamente semelhantes, houve uma destruição em massa dessas plantas e sem a possibilidade de substituição, uma vez que outros indivíduos plantados tinham a mesma constituição genética. Nessas fazendas de monoculturas de agave azul, os fazendeiros cortavam as inflorescências das plantas para aumentar a produção de açucar, importante para a fabricação da tequila. Além disso, o corte dessas inflorescências impedia a polinização cruzada dessas plantas, o que aumentaria a variabilidade genética.

Uma das vantagens da reprodução sexuada é a manutenção da variabilidade genética. No caso das plantas, esse tipo de reprodução ocorre através da polinização cruzada, na qual o pólen de uma planta fecunda o óvulo de outra. Muitas plantas utilizam animais como agentes polinizadores, ou seja, aqueles que carregam o pólen de uma planta para outra e esse tipo de síndrome de polinização realizada por animais é chamada zoofilia. No caso do agave azul, o transporte do pólen é realizado principalmente por espécies de morcegos-de-nariz-comprido, pertencentes ao gênero Leptonycteris.

Os morcegos-de-nariz-comprido (figura 3) pertencem a família Phyllostomidae e ambas as espécies mencionadas anteriormente, apesar de migratórias, vivem principalmente na América do Norte. São morcegos de tamanho médio que pesam entre 15g e 30g. Alimentam-se principalmente de néctar e pólen. Como em outras espécies de morcegos nectarívoros, a língua e o focinho são alongadas, uma adaptação para alimentarem-se do néctar acumulado no interior de muitas flores. As orelhas pequenas e curtas e a folha nasal triangular são indicativos de que esses morcegos utilizam menos a ecolocalização e provavelmente mais seu olfato para localizarem as flores das quais se alimentam. Essas duas espécies podem ser distinguidas de outras da mesma família pela estreita membrana entre suas pernas e a pequena cauda.

Figura 3: Morcego-de-nariz-comprido alimentando-se de néctar do agave azul.

A interação ecológica entre o agave azul e os morcegos-de-nariz-comprido é de grande importância para os produtores da tequila. Isso pode ser comprovado na prática após os eventos que levaram ao declínio das populações de agave azul cultivadas. Além disso, os pesquisadores que estudam a ecologia desses morcegos alertaram para o fato das populações desses morcegos também terem entrado em declínio rapidamente, devido a diminuição da disponibiliade de alimento, uma vez que os produtores não permitiam o crescimento das inflorescências do agave azul.

Os cientistas têm demonstrado que essa associação é resultado da coevolução entre os morcegos e as plantas e que ambos dependem fortemente dessa relação mutualística, uma vez que as plantas não podem se reproduzir  sexuadamente sem a intervenção dos morcegos, que por sua vez, não conseguem se alimentar quando essas plantas não estão presentes. Portanto, esta interação parece ser extremamente sucestível a distúrbios. É importante lembrar também, que outras espécies de animais como abelhas, mariposas, lagartos, pássaros e roedores também dependem dessas plantas polinizadas pelos morcegos. Nesse sentido, os morcegos são espécies-chave, fazendo parte de uma teia ecológica de interações que pode ser seriamente danificada pelo desaparecimento dos morcegos.

Após o período de declínio das culturas de agave azul, atualmente os agricultores têm se preocupado mais com a importância da interação ecológica entre o agave e os morcegos, uma vez que, graças a essa interação, foi possível a criação da tequila. Os morcegos-de-nariz-comprido, que até pouco tempo atrás estavam em declínio, agora passam a ser protegidas com financiamento do governo do México e dos produtores de tequila.

Contudo, os morcegos continuam sofrendo mesmo com essa proteção, pois seu habitat natural vem sofrendo destruição. Outras espécies de plantas também dependem desses morcegos para polinização e estes morcegos também dependem de outras características do habitat para que possam sobreviver de maneira efetiva. Portanto, para poder proteger efetivamente os morcegos, e por consequência as populações naturais de agave azul, é preciso um manejo eficiente dessas espécies sem esquecer dos demais elementos de seus habitats.

A antiga interação entre os morcegos e o agave, agora contam com um novo elemento: o homem. Como em outras interações onde a espécie humana intervém, essa corre sério risco caso não seja devidamente estudada e manejada. Da próxima vez que for beber tequila lembre-se de sempreverificar no rótulo se ela foi produzida 100% de agave azul, caso contrário, não é considerada uma tequila autêntica. E lembrem-se também de fazer um brinde aos morcegos, pois sem eles seria difícil termos a tequila!

Saúde!

PS: Aproveito pra dedicar esse post a dois grandes amigos “morcególogos” e que com certeza apreciam a tequila: Carla e Newton!

 

Bibliografia recomendada

Arita, H.T. & Wilson, D.E. 1987. Long-Nosed Bats and Agaves: The Tequila Connection. BATS Magazine, 5 (4).

Bodin, M. 2009. In the dark. Nature Conservancy Magazine.

Dantol, R. 2005. Alcohol and science: Saving the agave. Nature, 438: 1070-1071.

Good-Avila, S.V.; Souza, V. & Gaut, B.S. 2006. Timing and rate of speciation in Agave (Agavaceae). PNAS, 103 (24): 9124-9129.

López-Hoffman, L.; Varady, R.G.; Flessa, K.W. & Balvanera, P. 2010. Ecosystem services across borders: a framework for transboundary conservation policy. Frontiers in Ecology and the Environment, 8: 84–91.

Slauson, L.A. 2000. Pollination biology of two chiropterophilous agaves in Arizona. American Journal of Botany, 87: 825-836.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Bat-tequila

  1. Nossa! Muito legal esse texto!
    parabens(demais) e valeu pelo toque super importante
    que vc deu la no Blog do Nurof com relação as referencias.
    Agradecemos muito pela ajuda e contamos com as dicas dadas por quem se garante qnd se fala em Blog ;D show!

  2. Pingback: Bat-sinal | Histórias Naturais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s